Vento do Leste

Um mundo literário com doses do cotidiano

Destaques

Imagem de capa do card
As 10 capas mais bonitas da minha estante

Hoje eu separei os livros que antes de tudo foram escolhidos pela capa e eu guardo com muito carinho na minha estante.

Ler o post
Outras postagens
Imagem de capa do card
[Resenha] O Jardim Esquecido, de Kate Morton
Ler o post
Imagem de capa do card
Mulheres marcantes na literatura #1
Ler o post

Últimas resenhas

Últimas resenhas

O Jardim Esquecido

Editora Arqueiro

Ler o post

Por uma Questão de Amor

Editora Novo Século

Ler o post

Uma noiva para Winterborne

Editora Arqueiro

Ler o post

Uma Dama Fora dos Padrões

Editora Arqueiro

Ler o post

Quinze Dias

Editora Globo Alt

Ler o post

Baía dos Suspiros

Editora Arqueiro

Ler o post

Anuncio

O Diário de Anne Frank


Eu nem mesmo sei por onde começar. É incrível como um livro pode ser surpreendente e emocionante mesmo quando você já sabe como irá terminar. Às vezes eu acho que por ler tanta ficção, desaprendi a entender e aceitar que nem sempre os finais são felizes.

O diário começa quando Anne está com 13 anos e ainda está em casa. Nele ela conta sobre a escola, a sua família e seus sentimentos. Até que no dia 5 de Julho de 1943, sua irmã – Margot Frank – recebe uma convocação para se apresentar nos campos de trabalhos forçados na Alemanha. Não foi uma surpresa. Há algum tempo os pais de Anne – Otto e Edith Frank – já esperavam por esta carta, afinal a Holanda estava ocupada por Alemães. Por isso já tinham um esconderijo preparado.

Logo no dia seguinte a convocação, a família Frank vai para o Anexo Secreto – o esconderijo – no prédio da empresa onde Otto trabalhava. Uma semana depois, a família Van Daan chega ao Anexo e mais tarde o Sr. Dussel.

Com isso, o diário de Anne começa a descrever a convivência entre os oito moradores do Anexo, as dificuldades em manter pessoas extremamente diferentes juntas e os sentimentos de uma adolescente que deseja ser livre. Conta sobre os seus estudos, que ela mantém mesmo no esconderijo.

A vida no Anexo dura dois anos, com isso é possível acompanhar as mudanças em Anne. No início de seu diário, em 1943, é possível perceber a personalidade forte e a sua determinação. Uma menina que desejava alguém que notasse o seus sentimentos e necessidades.

Já em 1944, Anne muda de atitude contra as críticas que recebe dos moradores do Anexo, principalmente da sua mãe. Ela descreve a mãe em várias ocasiões com muita raiva e remorso.

Em seu último ano no Anexo, Anne amadureceu muito. A sua escrita está melhor, os seus argumentos para descrever o que está acontecendo no esconderijo são claros e bem analisados. Tão diferente da garotinha de dois anos antes. Seu maior sonho é sair do Anexo e ser uma jornalista ou escritora, e publicar o seu diário para que todos pudessem conhecer a sua história.

Quem sabe, talvez nossa religião ensine ao mundo e às pessoas o que é a bondade, e talvez esse seja o único motivo de nosso sofrimento. Nunca poderemos ser apenas holandeses, ou ingleses, ou de qualquer outra nacionalidade, seremos sempre também judeus. E teremos de continuar sendo judeus, mas, afinal, vamos querer ser.

No dia 4 de Agosto de 1944, um carro parou em frente ao prédio onde ficava o Anexo e todos os moradores do prédio foram presos, inclusive os funcionários da empresa que os ajudaram durante os dois anos. A mando dos alemães, cada um foi para um campo de concentração diferente, com exceção de Anne e Margot que permaneceram juntas.

Anne morreu em 1945, no campo de concentração, devido às péssimas condições e uma epidemia de tifo. O seu diário foi devolvido a seu pai, o único sobrevivente dois oito moradores do anexo. Ao perceber a importância do que Anne havia deixado, decidiu seguir o que a filha tinha decidido e autorizou a publicação do diário.


Quantos textos eu já havia lido na escola sobre o nazismo, a segunda guerra, o holocausto, nem me lembro mais. Lembro que todos apenas apontavam os números, descrições das formas desumanas como os judeus foram tratados. Nenhum deles nos faziam sentir o medo e o desespero que era viver em meio a uma guerra, sem saber se no dia seguinte você estaria ali, vivo.

Talvez tenha sido este o motivo de eu ter demorado tanto na leitura deste livro. O Diário de Anne Frank poderia ser apenas o diário de uma garota comum, prestes a entrar na adolescência, se não fosse um relato claro do dia-a-dia de uma família judia em meio a Segunda Guerra Mundial.

Também escolhi falar sobre esse livro, porque enquanto eu lia ouvi muitos comentários de pessoas que sequer sabiam quem foi Anne Frank ou mesmo do que tratava o seu diário. Esta é uma história que precisa ser conhecida.

  1. Li esse livro quando estava na sétima ou oitava série do ensino fundamental. Conversava muito com a minha professora de ciências da época e ela quem me emprestou o livro. Lembro da sensação incrível que foi finalizar a leitura do diário e como a nossa visão da Segunda Guerra muda depois de conhecer a vida da Anne Frank. Eu concordo com você, acho que todo mundo devia conhecer e se interessar pela história da Anne. É lindo, inspirador e de uma sensibilidade incrível. Apenas apaixonante.

    Com carinho,
    Conto Paulistano.

    ResponderExcluir
  2. Desde criança sou doida pra ler esse livro, mas falando sério: me falta coragem. Eu me apego demais a narração e aposto que vou me emocionar bastante com o livro. Ainda assim, tá na minha lista de leitura desse ano e com fé eu leio e conheço essa história de verdade <3

    xox
    Próxima Primavera

    ResponderExcluir
  3. Quando eu li esse livro eu esperava que fosse uma narraçao mais voltada a segunda guerra e por isso me decepcionei um pouco porque a história fica muito mais no dia a dia e em dilemas da vida da Anne do que no contexto da época, mas de qualquer maneira, reconheço como esse livro é importante e gosto dele apesar de tudo hehe
    Guria, seu blog é a coisa mais fofa que eu já vi ahaha sério! to apaixonada! haha
    beijinhos
    penultima-janela.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Eu pude ir ano passado na Casa Anne Frank (tem post no blog <3) e foi uma experiencia maravilhosa já que trabalhava o titulo com meus alunos.
    Se você gostou do diário dela, leia O Diário de Zlata, que é basicamente uma menina durante a guerra da Bósnia :D
    A Bela, não a Fera | Youtube Channel | Vem conversar comigo no Twitter!

    ResponderExcluir

@oventodoleste