[Resenha] Vox, de Christina Dalcher

Livro Vox


Vox
Christina Dalcher
Editora Arqueiro
Onde comprar: Amazon

Sinopse: O governo decreta que as mulheres só podem falar 100 palavras por dia. A Dra. Jean McClellan está em negação. Ela não acredita que isso esteja acontecendo de verdade.

Esse é só o começo...

Em pouco tempo, as mulheres também são impedidas de trabalhar e os professores não ensinam mais as meninas a ler e escrever. Antes, cada pessoa falava em média 16 mil palavras por dia, mas agora as mulheres só têm 100 palavras para se fazer ouvir.

...mas não é o fim.

Lutando por si mesma, sua filha e todas as mulheres silenciadas, Jean vai reivindicar sua voz.

Livro Vox

Sobre a história
Quando começamos a leitura nos deparamos com Jean McClellan, uma famosa cientista, doutora em neurolinguística, estava pronta para concluir a pesquisa que mudaria a vida de pacientes que sofreram grandes danos na fala, quando um novo presidente assume o Estados Unidos. Junto com o presidente um novo grupo fundamentalista cristão passou a reorganizar a sociedade, retirar os direitos das mulheres e banir homossexuais. Os homens assumiram todos os cargos ocupados por mulheres, enquanto elas só poderiam cuidar da casa e da família. O direito de ler, escrever e falar foram tirados de todas. Agora elas teriam que usar um contador, uma espece de pulseira que faz a contagem de todas as palavras que elas dizem por dia. O aparelho está programado para permitir apenas 100 palavras, qualquer uma que seja dita depois disso irá causar um choque suficientemente grande para que o medo seja instaurado. Nem mesmo crianças foram poupadas. As meninas foram enviadas para escolas diferentes onde aprenderiam contas simples para usarem no dia a dia, além de cuidados domésticos e, o principal, a ficarem em silêncio.

– É uma escolha, mãe – disse Steven. – Se você pode escolher uma sexualidade, pode facilmente escolher outra. É só isso que eles estão tentando fazer.

Há cerca de uma no Jean vem tentando encontrar um meio de sobreviver a essa nova realidade. Uma mulher que sempre foi independente e reconhecida por seus trabalhos, tinha a única responsabilidade de zelar pela sua casa e família. Com três filhos homens e uma menina, o medo a persegue todos os dias. Sonia, a sua filha mais nova, com cinco anos, está cada vez mais quieta. O mais velho, Steven, aos poucos está sendo manipulado pelo novo sistema e aceitando as leis que foram impostas. Enquanto seu marido, Patrick, na maioria das vezes, tenta amenizar os danos e brigas na família. Mas o que ele poderia fazer para trazer sua voz de volta? Mais do que nunca os discursos da sua melhor amiga da faculdade – Jackie – passam a fazer sentido. O que na época ela considerava um absurdo e impossível, se provou fácil de acontecer depois que o plano do novo governo foi executado. Jackie sempre acusou Jean de não lutar, de não participar dos movimentos feministas e da política. Para Jackie, Jean vivia numa bolha e só agora ela entendeu que Jackie estava certa.

Não posso odiar Steven porque ele acredita numa coisa tão errada, ainda que eu odeie aquilo que ele acredita.

Livro Vox

Patrick é médico e trabalha no alto escalão no governo, com contato direto com o presidente. Quando o irmão do presidente sofre um grave acidente e perde a fala, a última coisa que Jean seria capaz de imaginar é que Patrick apareceria na sala de casa junto com o reverendo Carl, o conselheiro do presidente. Logo que começaram a explicar o dano no cérebro do irmão do presidente, Jean entende o motivo de estarem ali. Ela era uma das maiores especialistas em neurolinguística no país e a pesquisa que ela estava a ponto de concluir é a solução para o problema deles.

Tudo o que Jean queria é voltar ao trabalho, mesmo a oferta de tirarem o contador e o salário que irá receber é tentador, mas ela sabe que ao entregar o que eles querem tudo voltará a ser o que era. As 100 palavras estariam de volta e nada mudaria isso. Além do mais, por que ela deveria salvar um cara que é um dos responsáveis por tudo o que está acontecendo? Mas ela aceita. Jean vê nesse trabalho a oportunidade de salvar a filha e a si mesma.

De volta ao laboratório, Jean vai encontrar com Lin e Lorenzo, os amigos que estavam ao seu lado durante a pesquisa. Segredos logo virão a tona e os três precisam entender o que estarão dispostos a fazer para salvar suas vidas e resistir a um governo opressor. Tanto Jean quanto Lin e Lorenzo carregam segredos que poderiam prejudica-los e esconde-los está cada vez mais difícil.

Minha culpa começou há duas décadas, na primeira vez em que não votei, nas vezes incontáveis em que disse a Jackie que estava ocupada demais para ir a uma das suas passeatas, fazer cartazes ou ligar para meus congressistas.


Livro Vox

O que eu achei?
Vox é um livro que traz para o leitor a política, a necessidade de todos participarem e lutarem por seus direitos, mas acima de tudo, traz a luta pelos direitos das mulheres. Assim como em “O Conto da Aia”, a história parte do ponto em que um novo governo autoritário assume o poder e tenta obrigar a população a seguir as novas leis, através de discursos certeiros e com um plano bem construído. Vox mostra ao leitor que discursos conservadores ainda representam a opinião de muitos e, quando feito por alguém capaz de convencer e usar os argumentos certos, pode mostrar que decisões cruéis são necessárias (o famoso: os fins justificam os meios).

Uma coisa eu aprendi com Jackie: você não pode protestar contra o que não vê se aproximar.

A história é muito bem construída e aproxima o leitor a cada capítulo. Os personagens também são o ponto alto do livro. Acompanhar a história pelo ponto de vista da Jean mostra o lado visto como fraco pelo novo governo. É fácil encontrar na Jean traços de mulheres reais, mesmo numa história que poderia mostrar uma mulher com a vida ideal (com o emprego perfeito e uma família perfeita) sendo injustiçada por um governo autoritário. Os demais personagens também não ficam atrás.

Livro Vox

O único ponto que eu acredito que poderia ter sido mais bem aproveitado foi o final. Não que tenha sido ruim ou mal construído, pelo contrário... só acho que poderia ter sido mais devagar. Mesmo assim, não é algo que atrapalhe a leitura ou que desaponte o leitor.

A autora não diz o tempo que a história ocorre, mas algumas descrições políticas facilmente nos leva a comparar com os dias atuais (sem spoilers, não vou citar quais descrições são). Queria falar sobre vários outros momentos em que a história me surpreendeu, mas a ação ocorre toda no meio do livro, então não há muito que contar sem soltar algum spoiler. O que eu ainda posso dizer é que esse livro traz uma história que precisa ser lida e entendida. É uma leitura que toca na ferida e nos faz lembrar que ela está ali. Acima de tudo, uma história sobre várias formas de resistir e não se deixar ser silenciado.

Livro Vox

Muitíssimo obrigada a editora Arqueiro por trazer esse livro na hora em que mais precisamos entender que não existe nada que não possa ser tomado de nós.

Comentários

Quem escreve

Michelly Melo.

25 anos dividindo uma vida entre a paixão pelos livros e a vontade de ser escritora.

Redes sociais

Busca

Já curtiu nossa página?

Editoras parceiras

Seguidores

Resenhas

Um marido de faz de conta

Editora Arqueiro

Ler o post

Ilha de Vidro

Editora Arqueiro

Ler o post

Justiça a qualquer preços

Editora Arqueiro

Ler o post

A Grande Solidão

Editora Arqueiro

Ler o post

As Irmãs Grimm #3

Editora Novo Século

Ler o post

Vox

Editora Arqueiro

Ler o post
@oventodoleste
Subir