Promoção na Amazon

[Resenha] Ano Um, de Nora Roberts


A Catástrofe chegou ao primeiro dia do ano. Pessoas no mundo inteiro começaram sucumbir à doença. Em questões de semanas a estimava já ultrapassava dois bilhões de mortos. Governos enfraqueceram, mesmo com o isolamento de seus lideres, um a um, todos caíram. O atual presidente dos Estados Unidos era a Secretária da Agricultura, a oitava na linha de sucessão. Logo não haveria estrutura manter governos em funcionamento.

O surto havia sido identificado como uma variação da gripe aviária, devido ao histórico do primeiro paciente a contrair a doença. Testes foram realizados, mas nenhum animal foi identificado com o vírus. O governo garantia que uma vacina estava sendo produzida, mas a realidade era que não haviam sequer identificado a origem do vírus.

O medo logo se instalou por todo o mundo. Pessoas começaram a estocar comidas, não havia energia elétrica nem mesmo internet. As ruas estavam desertas e qualquer um que se arriscasse por elas poderia ser atacado por gangues que se formaram. Os Rapinantes caçavam vítimas, além de destruir tudo por onde passavam.


Ainda havia aqueles que descobriram poderes dentro de si. Como se a Catástrofe tivesse aberto uma porta, a magia floresceu e ganhou força. Muitos que não estavam preparados para lidar com o poder, enlouqueceram. Outros sucumbiram à escuridão e usavam seus poderes para atacar, destruir ou apenas se divertir com o sofrimento dos outros. Mas ainda restavam aqueles que aceitaram o dom e seguiram a luz, passaram a ajudar aqueles que precisavam. Muitos tiveram que se esconder. Enquanto não havia respostas para o que tinha causado a Catástrofe, as pessoas passaram a perseguir aqueles que possuíam a magia.

Lana Bingham praticava a magia antes de o mundo entrar em colapso, mas ela acreditava ter apenas uma fagulha, nada tão impressionante quanto Max, o homem que tanto amava. Ele sim tinha um dom maravilhoso e sabia como usá-lo pelos motivos certos. Lana não esperava que a Catástrofe fosse mudar tanto dentro dela. Agora existia uma luz dentro dela, ela era capaz de sentir o poder tomando conta do seu corpo quando o invocava. Era do seu poder que ela e Max precisariam para sair de Nova Iorque para encontrar com Eric, irmão mais novo de Max.

As notícias começaram a se espalhar. O exército estava à procura de pessoas imunes a doença, pessoas que após semanas ainda resistiam. Não era uma opção. Os que fossem encontrados eram levados e forçados a servirem como cobaias. Os Incomuns logo entraram na lista também. Era hora de fugir.


Mesmo sabendo do risco que corria e que também estaria colocando em risco a vida dos seus companheiros na emissora, Arlys decide expor a notícia que Chuck, sua fonte, havia lhe passado. Se o número de mortos crescia em uma velocidade gigantesca e não havia sinais de que uma vacina estaria próxima de ser produzida, a população precisava saber. Era para isso que ela mantinha as transmissões do jornal. Era seu dever.

Os caminhos de Rachel, Jonah e Katie se cruzam. Uma médica, um paramédico e uma mãe de três recém-nascidos tentando sobreviver em meio ao caos. Dispostos a continuar em segurança e salvar a vida dos bebês de Katie, os três decidem sair da cidade.

Três grupos distintos que compartilham o medo e a vontade de sobreviver, e agora decidem seguir rumo ao Oeste dos Estados Unidos. Os suprimentos são escassos e o perigo os persegue, mas ainda há esperança.



Ano Um é o primeiro livro da trilogia Crônicas da Escolhida, escrito pela Nora Roberts, e apresenta os personagens importantes para o crescimento da história até o nascimento da Escolhida. Um livro sombrio e que traz o peso das escolhas. Apesar de ter lido apenas duas trilogias da autora e partes de outras, esse com certeza foi um dos que mais me surpreenderam. Nele você irá sentir o medo, a angústia e o instinto de sobrevivência junto com os personagens. É possível entender a divisão que existe entre as pessoas boas e aquelas que acolheram a escuridão, sendo mágicas ou não. Você vai entender que não é um único momento ou uma única escolha que te faz bom ou ruim. O caráter, a essência de cada um, é que faz a escolha.

Para um primeiro livro, achei muito bem construído e com uma visão geral da história. Eu me perdi um pouco no começo com a quantidade de personagens que foram surgindo, mas todos carregam a sua importância. O mistério por traz da Catástrofe e aqueles que sobreviveram é eletrizante e a autora consegue prende a sua atenção até as últimas páginas. O livro acaba com um gancho muito bom para os próximos livros. Me resta aguardar o lançamento do próximo! ♥

Comentários

  1. Agora eu preciso ler esse livro, o enredo parece muito bom e essa capa é linda né?
    Já estou curiosa para saber o que acontece.
    Hurricane Stars

    ResponderExcluir