Quote da semana

Somos poucos os que temos valentia suficiente para nos apaixonarmos completamente se a outra parte não nos encoraja.

Orgulho e Preconceito

Promoção na Amazon

[Resenha] Feitos de Sol, de Vinícius Grossos


O ano é 1999, a poucos meses do Bug do Milênio. Um erro nos sistemas de informática prometia causar o fim do mundo na virada do ano de 1999 para o ano 2000. Apesar da catástrofe eminente, muitos não acreditavam que o fim estava perto. Esse não era o caso de Cícero, um nerd de quinze anos e apaixonado por quadrinhos, que não só acreditava como também estava se preparando para o grande dia.

No momento, sua maior preocupação foi trocada para conseguir a última edição do seu quadrinho favorito: Under Hero. Depois de 34 edições, ele finalmente saberia o final da história que fazia parte da sua vida. Mas Cícero foi tomado pelo desespero ao se aproximar da Taverna do Dragão, a única loja na pequena cidade que vendia revistas para nerds como ele. A Taverna estava fechada. Definitivamente. No meio da sua crise, aparece Vicente, tão jovem e apaixonada por Under Hero como ele. Juntos, eles decidem ir à procura da última edição.

Vicente, apesar da risada fácil e da força que carrega, vem de uma família extremamente religiosa que o impede de ser que ele é abertamente e controla todos os seus passos. Totalmente o oposto do Cícero que passa os finais de semanas livres, enquanto a mãe está na casa do namorado, e vive uma relação de confiança com a mãe. Sendo apenas os dois, durante a vida toda, foi necessário que um confiasse no outro, com isso, Cícero conquistou mais liberdade que muitos na sua idade jamais teriam.

Apesar de virem de mundos completamente diferentes, a aproximação entre eles é instantânea e o amor pelo mesmo super-herói será a ponte que eles precisavam para enfrentar o mundo, juntos.



Cícero logo percebe um sentimento novo crescendo dentro dele e, sem precisar rotular o que sente, sabe que é bom. Seus relacionamentos, até o auge dos seus quinze anos, se baseavam apenas na amizade colorida que mantinha com a Karol. Sua amiga era totalmente fora da caixa e sem preconceitos. Ela buscava a felicidade onde quer que estivesse, mesmo que isso a levasse para fora dos “padrões”.

Já Vicente precisa tomar todo o cuidado possível. Não importa o que ele sente, os seus pais jamais permitiriam que ele se abrisse para o mundo. Cícero apareceu para ele como um sopro de vida, permitindo que ele enxergasse o mundo além do círculo fechado que os seus pais impunham. Seu pai era autoritário e não havia nada na casa que não pudesse ser considerado vindo de Deus. Sua salvação era a Dona Emir, sua avó excêntrica. Ela zelava pelo neto, sabendo no que o filho tinha se tornado.

A procura pela última revista do Under Hero chegou na hora certa. Cícero iria onde o Vicente quisesse ir. Em poucos dias ele já precisava lidar com a angústia que ausência de Vicente causava. Enquanto isso, Vicente via como a oportunidade de se ver livre da vida que tinha com os seus pais. O autoritarismo do pai não era sua maior preocupação. Quando Vicente não agia como um garoto “normal”, como o homem que a família esperava que ele fosse, o pai se tornava agressivo. Além disso, ele queria estar com Cícero. O garoto tinha mostrado a ele que a vida poderia ser boa e tinha espaço para pessoa como ele. Foi assim que os dois partiram para a maior aventura de suas vidas, prontos para brilhar.




Feitos de Sol” é, sobretudo, uma mensagem de amor. Indiferente da forma como ele aparece em nossas vidas. É necessário aceitar quem somos, sem rótulos ou preconceitos, e partir em busca do que nos faz felizes. É uma história cheia de dor e um choque de realidade, mas mostra que a vida está sempre pronta para nos surpreender. Seja você ateu ou cristão, não importa o significado que você dê as coisas que acontecem a sua volta, é importante aceitar que somos diferentes. Mesmo o nosso melhor amigo carrega crenças e opiniões diferentes da nossa. E é isso o que torna cada momento especial.

Cícero e Vicente carregam o sol dentro deles. Eles brilham como todos nós deveríamos brilhar. Apesar de novos, carregam o peso de enfrentar um mundo hostil, que muitas vezes se torna agressivo com pessoas que se aceitam. Quando eles decidirem partir juntos para uma aventura longe de casa, eles aceitaram que estavam juntos, independente do que acontecesse, e tudo valeria a pena.

Eu não tenho como explicar como essa história conseguiu me tocar de uma forma surpreendente. Já esperava que fosse mais um livro maravilhoso do Vinicius Grossos (já deixei bem claro aqui no blog o quanto eu sou apaixonada pelos livros dele *-*), mas é incrível perceber que a cada livro ele consegue se superar. Ele coloca toda a sua personalidade na história e é impossível não se emocionar com cada pedacinho desse livro.

E ainda temos um bônus. Há uma playlist para acompanhar a história e, Deus do céu, como ela é maravilhosa! Vou deixar aqui embaixo para vocês ouvirem e sofrerem junto comigo.