[Resenha] Pistas Submersas, de Maria Adolfsson


No dia seguinte ao festival das Ostras, Karen Hornby acorda em um quarto desconhecido. Ela sabia que tinha bebido demais, mas não poderia acreditar que tinha sido inconsequente ao ponto de ir parar em um quarto de hotel com o seu chefe, Jounas Smeed. Ela não sobreviveria a isso, com certeza Smeed a atormentaria pelo resto de sua vida. A única coisa que poderia fazer naquele momento era ir embora antes que ele acordasse e torcer para que ninguém a reconhecesse até que conseguisse chegar ao seu carro.

Enquanto dirige para casa, Karen pensa nas diversas formas de não ter que encarar o seu chefe novamente. Ela poderia pedir uma transferência, com certeza ela não faria falta no Departamento de Investigações Criminais. Desde que sua vida foi destroçada, Karen havia optado por voltar para sua cidade natal para fugir das lembranças que a aterrorizavam. Doggerland a chamou de volta e lá estava ela. Mas não tinha sido fácil trabalhar na DIC em meio a tantos homens e pensamentos retrógrados. Seus colegas e superiores achavam que ela nunca seria qualificada o suficiente para qualquer outro cargo ou para assumir uma investigação importante. Além de ser uma mulher em meio a homens antigos, Karen não tinha a experiência de campo como todos os outros policiais. Isso assombraria a sua carreira eternamente.

Por isso, a sua surpresa quando atendeu o seu celular, horas depois de ter voltado para casa e tentado curar a resseca que estava sentindo ao sair do hotel. O chefe de polícia Viggo Haugen estava entregando o comando de uma das investigações da DIC a ela. E não era qualquer investigação. Susanne Smeed foi brutalmente assassinada. O corpo tinha sido encontrado naquela manhã por um vizinho. Susanne era a ex-esposa de Jounas Smeed, o chefe de Karen. Smeed não poderia interferir neste caso e Karen tinha sido escolhida para ocupar o seu lugar. Se a situação poderia piorar, Karen não tinha dúvidas. Ela teria que investigar o próprio chefe, afinal, ele era um dos suspeitos. A única certeza que Karen tinha, era que Smeed não deixaria isso barato. Assim que ele pudesse assumir o comando novamente, Karen estaria perdida.


Sem nenhuma pista para indicar um caminho a seguir, a equipe estava andando em círculos. O tempo estava passando e a imprensa estava ansiosa por respostas. Susanne não era o tipo de pessoa amigável e fácil de lidar. Todos na pequena Doggerland tinham algo de ruim para falar sobre ela. Mas nada que fosse o suficiente para indicar um possível motivo para o crime. Quem teria matado Susanne daquela forma? Além disso, Karen precisaria correr atrás de um álibi para o seu chefe ou ela seria obrigada a contar que estava com ele até o começo daquele dia.

Tudo o que Karen conseguiu reunir só comprovava que o caminho que a polícia estava seguindo só poderia estar errado. Poderia ser apenas um pressentimento, algo sem importância, mas ela sentia que algo no passado de Susanne seria a resposta para desvendar o crime. Algo que teria acontecido décadas antes poderia colocar um luz ao mistério que envolvia o assassinato. Mas como ela poderia provar que estava no caminho certo quanto toda a equipe imaginava que eles haviam encontrado um novo suspeito?






Karen é uma personagem bastante complexa. Sua vida, apesar de ter sido feliz e completa por um momento, havia sido arrancada dela e ela carrega um fardo maior do que podia suportava. A culpa a consumia diariamente, mas em algum momento ela teve que seguir da melhor forma que conseguia e se permitia. O segredo do seu passado vai sendo explicado aos poucos ao leitor. É algo que justifica muito das atitudes que ela toma durante a história, mas que o leitor pode ir juntando as peças, conforme tudo vai se desenrolando.

O que também fica bem claro durante a leitura é o pensamento um tanto quanto preconceituoso dos seus colegas de trabalho. Muitos homens preenchem as vagas da polícia em Doggerland, e as poucas mulheres que conseguem um cargo são diariamente questionadas e hostilizadas. É necessário mais do que paciência para aguentar as constantes piadas e Karen vinha suportando muita coisa. Os seus colegas de trabalho não sabiam sobre o seu passado, do contrário, seria mais um motivo para Karen se preocupar.

Karen é a nossa personagem principal, todos os que vão compondo a história ganham destaque, mas não conquistam tanto espaço na história. Pelo menos, não até os últimos capítulos. O livro dá início a uma série, portanto trata de apresentar todos os personagens, que eu imagino, estarão nas próximas histórias.

O assassinato acaba ficando em segundo plano durante boa parte da história. Acho que houve uma demora um tanto desnecessária para apresentar as pistas e chegar a uma conclusão. Não sei se por eu ter começado a ler em meio a uma ressaca literária, mas isso acabou atrapalhando um pouco a minha leitura. Eu acredito que se tirarmos alguns pontos que deixaram a leitura mais lenta, poderia ter fluído de uma forma melhor. Mas também pode ter sido apenas um problema comigo e não dá história. Neste ponto, acho que você terá que se aventurar por Doggerland para saber se eu estou certa ou não.

Fiquei com um pezinho atrás com o Smeed, um cara bastante arrogante, diga-se de passagem. Sua família é incrivelmente poderosa e dona de muitas terras na cidade. Desde seu avô ganancioso até o sei pai, que não aceitou o destino do filho e fez o que pode para impedir que o filho envergonhasse o nome da família. Uma família sem escrúpulos. Mas em um determinado momento eu fui obrigada a sentir um pouco de empatia por ele. Foi um personagem que me deu um pouco de trabalho para entender qual seria o papel dele na história.

Os demais personagens, apesar de não parecerem tão importantes para o desenrolar da narrativa, mostram que serão importantes para o que estiver por vir depois deste livro. Afinal, o final da história deixa bem claro que haverá uma continuação, que podemos esperar mais deles.

É isso! Acho que no geral, sem dar spoiler, é isso o que posso dizer a vocês. E um livro completo e que vai conquistando o leitor sem nenhuma pressa, a cada capítulo. Ao final da história, é impossível não imaginar qual será o próximo mistério e os segredos que virão além dele. Uma ótima dica de leitura!