Resenha | Win, de Harlan Coben

Escrito por


Win está de volta e desta vez, sozinho. Com uma personalidade, no mínimo, intrigante, Windsor Horne Lockwood III merecia a chance de ganhar os holofotes e contar a sua história. Tantos livros depois, Harlan Coben nos presenteou com uma história cheio de mistério, reviravoltas e uma dose de humor ácido, característica marcante do Win. 

A história começa com um assassinato. Um homem foi encontrado morto em seu apartamento e em meio a uma pilha de lixo. Um acumulador. Dois itens encontrados na cena do crime levam o FBI a procura de Win. O Eremita, como era conhecido pelos moradores do prédio, mantinha exibido na parede do quarto o valioso quadro do artista Vermeer. O quadro foi roubado há mais de 20 anos, na única ocasião em que a família de Win o cedeu para exposição, sem deixar nenhuma pista. Como se não fosse pouco, uma mala com as iniciais de Win foi encontrada no quarto. A pergunta que todos estão se fazendo é: como estes itens foram parar naquele lugar? 

Anos após o roubo do quadro, um crime voltou a ocorrer na família de Win. Um assassinato e o sequestro de sua prima, Patrícia. Depois de bandidos invadirem a casa e assassinarem o pai na sua frente, Patrícia foi sequestrada e mantida em cativeiro por meses, apavorada e sendo constantemente abusada psicológica, física e sexualmente. A notícia sobre o quadro fará Patrícia reviver os acontecimentos que levaram a pior lembrança da sua vida. 




Em meio as investigações, um caso antigo será revivido. Uma suspeita levará à noite, anos atrás, em que seis estudantes, que ficaram conhecidos como “Os seis da Janet Street”, cometeram um atentado que levou a morte de várias pessoas.


Quando se quer modificar o comportamento de alguém, basta lembrar apenas disto: os seres humanos sempre fazem o que é de seu interesse. Sempre. Essa é a única motivação. As pessoas só fazem a "coisa certa" quando está de acordo com seus interesses. Sim, é algo cínico, mas verdadeiro também.


Três mistérios que para serem solucionados e se não for suficiente, Win acaba se envolvendo com pessoas perigosas que estão em busca de vingança. Parece pouco? 

Neste livro o passado se mostra mais vivo do que nunca e capaz de reabrir feridas. Win será convocado, pelo seu antigo chefe, a investigar o assassinato e partiremos com ele em busca de respostas. Esteja avisado que este livro vai mexer com a sua mente. A cada capítulo, seremos levados a extremos diferentes. Harlan Coben sempre soube como preencher a história com um bom mistério e acrescentando outras histórias sem perder o controle do que está acontecendo. Este livro foi muito esperado e um grande presente para os leitores apaixonados pela escrita do Harlan e pela série Myron Bolitar, que nos apresentou ao Win. 




Se você não leu os livros anteriores, pode se arriscar na leitura sem medo. Claro, há menção ao que aconteceu em outros livros, mas é apresentando como lembranças rápidas, sem muitos detalhes que o impeçam de ler este ou os livros anteriores da série. 

Senti muita falta do Myron nesta história. Essa dupla conquistou meu coração anos atrás e a cada livro me apaixono ainda mais por eles. Myron é o coração e a dose de empatia da dupla. Enquanto isso, Win é impulsivo, egocêntrico e tende a buscar a justiça que ele acredita, pelas próprias mãos. 


A verdade é que posso realmente ter estragado tudo. Não estou nem aí para Teddy Lyons, claro. Ele passou do limite e mereceu toda e qualquer consequência. Não encaro isso como fazer justiça com as próprias mãos. Encaro como um crime preventivo. Pensemos na regra do pátio da escola. O valentão bate em alguém. Mesmo que o professor saiba, mesmo que o castigue, ele vai esperar que alguém revide.




Win, desde o início da série, sempre se mostrou avesso a sentimentos românticos, a deixar que sua vida girasse em torno do bem estar de outra, mas acabou encontrando um sentimento novo ao descobrir que tinha uma filha e já adolescente. 

Esse livro foi construído perfeitamente e conquista o leitor de cara. Se você gosta de um bom suspense policial, com uma escrita leve, divertida e que instiga a ler mais e mais... Esse livro foi feito para você! Harlan Coben provou mais uma vez o motivo de ser um dos grandes nomes do gênero! 

Comentários

  1. Olá,
    Ler sua resenha e saber desta filha me deu um ânimo a mais para reler a série. Eu li de acordo com os lançamentos, ou seja, fora de ordem. Amo demais o quarteto mas sempre tive uma paixão pelo Win, e ter um livro dele é mesmo um presente do autor para os leitores da série.

    Beijo!
    www.amorpelaspaginas.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário