Resenha | Os sete maridos de Evelyn Hugo, de Taylor Jenkins Reid

Escrito por

  • Este livro não é recomendado para menores de 18 anos.

Se você ainda não leu este livro, tenho certeza que ouviu falar sobre ele durante o ano passado. O romance chegou ao Brasil através da TAG Inéditos, posteriormente, foi publicado pela Paralela em 2019. Durante a pandemia muitos livros entraram nos assuntos mais comentados entre leitores nas redes sociais, e “Os setes maridos de Evelyn Hugo” não foi diferente. Com uma história cativante, a autora nos transporta para a fictícia biografia autorizada da lenda de Hollywood.

A história começa com Monique Brant, jornalista de 35 anos, com um emprego ruim na revista Vivant e lidando com o fim do seu casamento. Enquanto tenta entender como foi que a sua vida desmoronou sem que ela percebesse ou tivesse a chance de reparar os erros, Monique é surpreendida com um novo trabalho. O leilão beneficente organizado por uma das maiores lendas de Hollywood, Evelyn Hugo, era o assunto do momento. Para surpresa de todos, a assessoria de Evelyn Hugo ofereceu uma entrevista exclusiva a Vivant com a condição de que fosse feita por Monique Brant. Sem entender como Evelyn sabia de sua existência e o porquê de ser escolhida, Monique aceita o trabalho e vai atrás da chance que poderá dar um novo rumo a sua vida.

“Por que até este momento eu não percebi que tenho um problema de autoconfiança? Que a fonte de todos os meus problemas é que não confio em mim mesma a ponto de mandar os outros a merda? Como pude ter passado tanto tempo me contentando com tão pouco se sabia muito bem que o mundo esperava muito mais de mim?”




Junto com Monique, descobriremos quem é Evelyn Hugo. Uma personagem forte, decidida, com um passado sombrio que a ajudou a chegar ao estrelato. Evelyn tem muito o que contar. Para alcançar os seus sonhos, ela passou por momentos inesquecíveis, cruéis e revoltantes. Evelyn alcançou o topo passando por cima de todos os obstáculos que apareceram em seu caminho, mesmo que para isso fosse necessário para por cima de quem ela era.

Os capítulos são divididos entre os relatos de Evelyn sobre o seu passado e a narrativa da Monique, com duas perguntas pairando no ar. A primeira é por que Monique foi escolhida para a entrevista? Era nítido que havia algo por trás dessa escolha. Evelyn Hugo vivia reclusa há anos e não só escolheu a revista onde Monique trabalhava, como havia exigido que fosse ela a jornalista para quem contaria a sua vida. A segunda pergunta, e esta logo saberíamos a resposta, é quem foi o grande amor de Evelyn Hugo? Com sete maridos, havia muitas especulações. Se Evelyn estava disposta a contar os seus segredos, Monique logo alcançaria as respostas.

“Isso não te incomoda? Que seus maridos tenham se tornado um assunto tão importante, mencionado tantas vezes nas manchetes, que quase ofuscaram você e seu trabalho? Que aquilo que todo mundo menciona quando fala de você são os sete maridos de Evelyn Hugo?”







“Quando Don me deixou, não fiquei com o coração partido. Simplesmente senti que meu casamento tinha fracassado. E são duas coisas bem diferentes.”


Acabei a leitura em dúvida se esse livro foi inspirado em uma história real. Há tanta realidade, desde aos personagens a todos os momentos descritos. Evelyn não é uma personagem perfeita, injustiçada e sofrida, uma mocinha que precisa ser protegida. Ela é a descrição perfeita de força, persistência e foco. Por toda sua vida, ela sempre soube onde queria chegar, e não havia dúvidas de que ela chegaria lá. Há muito sofrimento em sua história, com toda certeza. Ela passa a imagem de uma pessoa real, que não é boa e também não é má, mas que lutou com todas as forças para alcançar o topo e fez o que foi necessário para continuar lá.

Já os seus sete maridos? Sem dar algum spoiler fico apenas com: segura a raiva para terminar a leitura, porque um deles terá sido uma boa escolha. O resto aparece só para nos fazer acumular ódio e tentar entender como foi que ela aguentou tanto. Evelyn enfrenta relacionamentos com abusos físicos e psicológicos, o medo de perder o que conquistou, uma paixão perigosa e o verdadeiro amor, o único que ela tentou proteger do mundo, ainda que tivesse cometido os piores erros.


“Tem gente que não pode ver uma flor bonita que já quer pôr a mão nela, já quer ser dono dela. Querem dominar a beleza da flor, querem que esteja em sua posse, sob seu controle.”


A autora construiu uma história forte, cercada dos luxos que uma vida em Hollywood permite, sem esconder as consequências que vem junto com a fama. Ela mostra que em sua escalada ao topo, Evelyn abriu mão de alguns escrúpulos e dos próprios sentimentos. Uma mulher real, vivendo em uma sociedade preconceituosa, onde uma mulher precisava ter força e coragem para seguir os seus sonhos.

Há um claro contraste nisso. Evelyn é julgada por suas atitudes, por sua ambição e confiança. Enquanto os homens a sua volta cometem erros graves, tudo o que importa é o que Evelyn fez ou deixou de fazer. Uma lembrança de que mesmo nos dias atuais, a sociedade ainda vê com desconfiança uma mulher que sabe o que quer e está disposta a alcançar os seus sonhos.

O final me surpreendeu até certo ponto. Eu já imaginava parte do que aconteceria, mas os motivos que levaram até aquele ponto era algo que eu não esperava. “Os sete maridos de Evelyn Hugo” é uma leitura necessária, sem fingimentos, uma busca constante por respostas, por algo mais. É impossível passear por essas páginas sem aprender algo. Cada capítulo, cada novo marido, nos ensina algo essencial para a nossa vida. Esse livro fala sobre coragem, aceitação e erros, se puder resumir desta forma. Mas há muito mais por trás dessas páginas. Foi uma leitura surpreendente, de todas as formas.

Há também vários gatilhos, então leia apenas se estiver pronto para viver cada pedaço dessa história.

É isso. Leitura mais que recomendada e favoritada em 2021.


Comentários