Utilizamos cookies e outras tecnologias de medição para melhorar a sua experiência de navegação no nosso site, de forma a mostrar conteúdo personalizado, anúncios direcionados, analisar o tráfego do site e entender de onde vêm os visitantes. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento.

[Resenha] Imperfeitos, de Christina Lauren

Escrito por

Recebi esse livro em parceria com a Faro Editorial. “Imperfeitos” é o lançamento de Março da editoria e já aviso que foi uma leitura bastante divertida. Esse livro foi escrito pelas autoras norte-americanas Christina Hobbs e Lauren Billings, através do pseudônimo Christina Lauren. Esta dupla é famosa por vários títulos como best-sellers do New York Times e seus livros já foram publicados em mais de 30 idiomas.

Neste novo livro, conheceremos Olive Torres. Olive sempre soube que Ami era a irmã sortuda. Elas são gêmeas, mas as semelhanças acabam por aí. Ami é a otimista, adora sorteios e ganha todo o tipo deles. Enquanto Olive é vista como negativa, ranzinza e azarada. Agora Ami estava prestes a ser casar com Dane, um cara do qual Olive não conseguia gostar, mas suportava por amor a irmã.


Foi participando de sorteios que Ami conseguiu quase tudo para o seu casamento, incluindo a viagem de lua de mel dos sonhos com tudo pago. Para surpresa de Olive, a vida parece sorrir para ela, pela primeira vez, de um jeito meio torto. Todos na festa acabam com intoxicação alimentar, exceto Olive e Ethan, o irmão mais novo do noivo. Olive conheceu Ethan quando Ami começou a namorar o Dane, mas a antipatia dele por Olive ficou evidente logo no início. Olive ainda se ressente pela forma como ele pareceu menosprezá-la naquele primeiro encontro. Agora, sorte ou destino, os dois foram os únicos sobreviventes da doença que atingiu todos os convidados do casamento.

Disposta a não desperdiçar a lua de mel com tudo pago, em Maui, uma ilha no Havaí, Ami incentiva a irmã a se passar por ela e aproveitar a viagem em seu lugar. Uma mentira totalmente possível, já que as duas eram gêmeas idênticas e ninguém desconfiaria de nada. Uma ótima ideia, até Olive descobrir que Dane também ofereceu a viagem a Ethan. O que significava que os dois teriam que passar dias em uma ilha no Havaí, vivendo a lua de mel perfeita dos irmãos. O destino não parece querer facilitar as coisas, mas esse tipo de sorte não acontecia na vida de Olive, então ela aceita. No dia seguinte, os dois estão juntos no aeroporto, rumo a uma viagem romântica e incapazes de manter um diálogo sem sarcasmo e longas discussões, apenas pelo prazer de discordar um do outro.

Já em Maui, o plano é que não tivessem contato um como o outro, a não ser quando estritamente necessário. Pelo menos era, até o momento em que Olive acaba contando uma mentira em um momento de desespero e, em seguida, é a vez de Ethan desesperadamente seguir a mentira de Olive. Uma história pequena, tomando uma proporção maior do que gostariam e não há nada que possam fazer a não ser seguir com o novo plano e, quem sabe, no meio do caminho descobrir que as coisas poderiam ser mais fáceis entre eles. Essa será uma lua de mel de mentira bastante longa.





Preciso dizer que eu me divertir lendo esse livro. Olive e Ethan possuem muita química e de cara você já está torcendo por eles. O diálogo entre os dois é repleto de sacadas inteligentes e muito sarcasmo. Confesso que até a metade do livro eu não conseguia entender o motivo de toda a aversão de Olive por Ethan, pelo menos não pelo motivo que é apresentado. E posso dizer o mesmo do motivo de Ethan não se aproximar de Olive. Nesse ponto, a justificativa não me convenceu muito, mas olhando o todo, acredito que a ideia fosse exatamente essa. Fico com a impressão de que as autoras optaram por mostrar que a falta de um diálogo e maturidade tenha levado ao ponto em que cada um assumiu uma verdade para si e deram prioridade ao orgulho ferido. Digo isso, porque tanto Ethan quanto Olive vão amadurecendo com o desenrolar da história.

Quanto aos personagens, a maior parte da história concentra-se em Olive e Ethan. Mas somos apresentados a alguns personagens secundários e, com exceção de Ami e Dane, as autoras não se aprofundaram na história deles. Eles trazem significado para história, mas não sabemos muito deles para analisar.

Enquanto isso, como a narrativa acontece pelo ponto de vista da Olive, vemos muito de sua história. Uma mulher insegura, desconfiada e sempre se comparando com a irmã. Neste ponto, pensei que Olive teria algum ressentimento com a irmã por achar que tudo sempre foi melhor e mais fácil para ela, mas não é o que acontece. Olive não consegue imaginar que coisas boas possam acontecer com ela. Ela já pensa no que pode dar errado antes mesmo de tentar. Também não consegue pensar em algo que a faça feliz ou que a motive a trabalhar pelo resto da vida. Com o desenrolar da leitura é muito bom ver como Olive vai amadurecendo e encontrando o seu caminho.

Já com Ethan, vemos pouco de sua vida. É um rapaz que no início foi apresentado como esnobe, infantil e com ciúmes do irmão. Ao passar da viagem, tanto o leitor como Olive vão descobrindo que tudo foi apenas por conta de uma primeira impressão ruim. Ethan, apesar de não querer demonstrar, é um cara romântico, divertido e que ama o trabalho. Acabei o livro apaixonada por ele. Inclusive somos presenteados com um epílogo com a narrativa feita por Ethan. Por sinal, foi uma forma linda de encerrar a história.



O romance entre eles é evidente desde os primeiros capítulos, há muita tensão ali e não há como não imaginar que vai acontecer algo. Ainda que Olive esteja disposta a ignorá-lo completamente, não importa o quão bonito e atraente ele seja, porque Ethan nunca demonstrou nenhuma afeição por ela. Pelo contrário, Ethan deixou uma péssima primeira impressão e Olive não mudaria de ideia sobre ele. Bom, essa era a ideia antes de uma mentira acabar os unindo pelo resto daquela viagem dos sonhos. Não importa o quanto se odiassem, a partir daquele momento, teriam que fingir um sentimento que não tinham e, quem sabe esse não seria o incentivo que precisavam?

No mais, eu me divertir com o jogo de ironia entre os dois. Achei o tipo de clichê gostosinho de ler, daqueles que você assisti em uma tarde chuvosa para passar o tempo. A leitura flui muito bem e logo as mais de 200 páginas passam sem que você se dê conta. Confesso que fiquei presa na história e não consegui largar o livro até terminar a leitura. Faz um bom tempo que não me prendo a uma história desta forma e foi muito bom poder sentir novamente.

É isso! Não há mais nada que posso dizer sem dar algum spoiler, mas posso dizer que foi uma leitura que deixou um quentinho no coração. Leitura mais do que indicada para quem gosta de um romance leve e divertido. Leiam e voltem aqui para me contar o que acharam!




Comentários