Vento do Leste

Um mundo literário com doses do cotidiano

Destaques

Imagem de capa do card
As 10 capas mais bonitas da minha estante

Hoje eu separei os livros que antes de tudo foram escolhidos pela capa e eu guardo com muito carinho na minha estante.

Ler o post
Outras postagens
Imagem de capa do card
[Resenha] O Jardim Esquecido, de Kate Morton
Ler o post
Imagem de capa do card
Mulheres marcantes na literatura #1
Ler o post

Últimas resenhas

Últimas resenhas

O Jardim Esquecido

Editora Arqueiro

Ler o post

Por uma Questão de Amor

Editora Novo Século

Ler o post

Uma noiva para Winterborne

Editora Arqueiro

Ler o post

Uma Dama Fora dos Padrões

Editora Arqueiro

Ler o post

Quinze Dias

Editora Globo Alt

Ler o post

Baía dos Suspiros

Editora Arqueiro

Ler o post

Anuncio

Excesso de babagem



A gente tem a mania de dramatizar tudo, de fazer com que cada experiência seja vivida cem por cento. Seja ela boa ou ruim, parece uma necessidade. É como se não pudéssemos dizer que sentimos, apenas vivemos o momento como um espectador qualquer, como alguém que não pode interferir.

Não falo de pessoas que querem chamar a atenção para os próprios problemas, de pessoas que querem que os outros lamentem a sua falta de sorte. Falo de pessoas que sofrem sim, mas guardam as mágoas, as alegrias, as surpresas para si. Pessoas que não dividem o que sentem. São pessoas assim que esgotam até a última gota de cada experiência, por não quererem dividir ou por não terem com quem dividir. Acredito que a primeira opção seja a mais dolorosa, a mais cruel.

Há quem diga que tem coisas que não devemos contar a ninguém, que devemos manter conosco. Bobeira isso. Todo mundo precisa de uma válvula de escape, não podemos e nem aguentaríamos manter tantas coisas guardadas. Não precisa ser necessariamente contada a uma pessoa, há diversas formas de demonstrar o que sentimos. O importante não é como iremos colocar tudo isso para fora, mas sim ficar livre de toda essa bagagem.

Acredito que esse é o motivo que sempre me faz escrever. Eu não sei como achar a forma certa de me expressar em uma conversa, mas me encaixo muito bem com palavras escritas. Não preciso que tenha muita coerência, até porque eu mesma não tenho harmonia nenhuma com os meus pensamentos. Mas preciso que as palavras saíam, sem esforço, sem me preocupar em organizar demais. Preciso perder o excesso de sentimentos que ficaram perdidos em mim.
  1. "...Não preciso que tenha muita coerência, até porque eu mesma não tenho harmonia nenhuma com os meus pensamentos. Mas preciso que as palavras saíam, sem esforço, sem me preocupar em organizar demais. Preciso perder o excesso de sentimentos que ficaram perdidos em mim."

    Sou muito assim. amei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oun, que bom que você gostou, flor! <3 <3 <3

      Excluir
  2. E você escreve muito bem Michelly *-*
    cada um tem seu modo de esvaziar a bagagem né? O meu caso é parecido com o seu, sempre acabo escrevendo porque na hora da conversa eu me enrolo toda kkkkkk u_u
    Valeu a pena Esperar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, flor!
      Pois é, esse é um dos dramas da minha vida hahaha

      Excluir
  3. A quantidade de pessoas que enchem os consultórios psicológicos de "EXCESSO DE BAGAGEM" não está no gibi... Que bom que usamos a escrita para desabafar.
    http://ladomilla.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Amei seu texto e super me identifiquei, escrever acabou sendo minha válvula de escape.
    Beijos
    http://tecontopoesia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

@oventodoleste