Well we’ve got holes, we’ve got holes but we carry on


Hey! Como vocês estão?

As coisas por aqui andam uma loucura. As últimas semanas foram divididas entre o nervosismo e a ansiedade. Os dias foram longos e a inquietação foi enorme. Não havia dia em que eu conseguisse ficar mais de quinze minutos em frente ao computador sem me deixar levar pela emoção. Foram dias difíceis, mas trouxeram uma recompensa enorme.

Sábado foi o segundo show do Passenger no Brasil, mais uma vez em São Paulo! Se você acompanha as playlists que aparecem aqui no blog, já deve ter se deparado com várias músicas dele. Mas se você ainda não o conhece, vou deixar uma playlist especial no final desse post. O Mike Rosenberg, ou Passenger, é um cantor britânico e ficou conhecido mundialmente após o lançamento do single "Let Her Go", atualmente com mais de 2 bilhões no YouTube. #MuchMoreThanLetHerGo



Rapidamente apresentado, então vamos ao motivo deste post... Em março deste ano, fiz um post falando sobre um dos sonhos que havia realizado: conhecer o Passenger. Foi totalmente por acaso que eu acabei descobrindo que ele faria um show no Brasil. Foi um dia incrível. Passei o dia na fila, fiz bons amigos e pude abraçar esse ser humano maravilhoso! Não é por ser fã que digo isso, mas ele é um dos poucos artistas que acompanho que é extremamente gentil e humilde.

Imagina só a minha felicidade quando soube que ele voltaria! As vendas começaram em agosto e desde então vinha controlando a ansiedade e contando os dias para a data marcada. Não só pela felicidade de rever um dos meu ídolos, mas por ter a chance de rever todos os amigos que fiz no primeiro show. Foi uma loucura. Eu amei conhecer cada um naquele dia, mas nunca imaginei que manteríamos contato após aquilo. Nosso grupo se manteve firme e unido. Essa foi uma das poucas surpresas que eu tive em 2019 e vou levá-los para sempre comigo, não tenho nenhuma dúvida quanto a isso!



Mas chegou o dia, marcamos de nos encontrar na fila e mais uma vez estávamos lá, cedinho e montando guarda em frente a bilheteria. O Passenger foi o primeiro artista que me fez passar horas sentada na calçada, debaixo de sol absurdo. Mas, como eu disse, valeu a pena. O Mike chegou para a passagem de som e passou para falar com os fãs que estavam na fila. Mais uma vez, ele abraçou todos, deu autógrafos, tirou fotos com cada um, gravou vídeos e encerrou com uma foto em grupo, chamando os fãs de sua família brasileira. Depois de toda a emoção, só nos restava esperar pela hora do show... E como demorou a passar.

Não sei se consigo descrever a sensação de estar em um show de um artista que é tão importante para você. Acho que vou ficar com o clichê: foi mágico. Aconteceu algo diferente desta vez. Havia cumplicidade, havia carinho, felicidade... Havia muito mais do que poderíamos entender. Ele estava ali por inteiro, assim como todos os fãs. E o resultado foi uma noite que ficará para sempre na nossa memória.

É isso, gente. Deixo um pouquinho da minha felicidade para vocês e logo logo terá resenha nova no blog!

  1. Que incrível!!! Eu amo muito escutar as músicas dele também, a voz dele é tão calminha, sempre me dá uma paz muito grande! Fico muito feliz que tenha conseguido escutar ele ao vivo, imagino a emoção ♡

    ResponderExcluir