Utilizamos cookies e outras tecnologias de medição para melhorar a sua experiência de navegação no nosso site, de forma a mostrar conteúdo personalizado, anúncios direcionados, analisar o tráfego do site e entender de onde vêm os visitantes. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento.

Resenha | Precisamos conversar sobre "Não foi por Acaso", do Vinicius Grossos

Escrito por


Queria dizer que enfim eu li o novo livro do Vinícius Grossos!

O livro foi publicado pela Editora Nacional, em setembro de 2021, um pouquinho mais curto que as outras histórias do autor e com uma história que foge da zona de conforto em que o leitor está acostumado a vê-lo.

O motivo de não ter lido antes, quem acompanha o blog já sabe, é que 2021 um ano difícil, para dizer o mínimo. Não senti que estava com o emocional pronto para encarar essa leitura. Os livros do Vinícius sempre mexem comigo. Não porque eu me encontro em meio a suas histórias, pelo contrário, elas passam longe do que vivo diariamente. Mas elas são boas o suficiente para você conseguir se enxergar no lugar do outro, em ter empatia. Na minha opinião, essa é a maior vitória de um autor: fazer com que o leitor consigo se imaginar dentro daquele mundo, dentro da vida de um personagem, por mais distante que esteja da sua realidade.

Mas voltando ao tema desse post: eu li “Não foi por acaso” e (usando de uma piadinha sem graça) não foi por acaso que eu só consegui ler agora. De cara eu já senti a bomba caindo no meu colo. Vinícius dedica o livro àqueles que perderam alguém nessa pandemia. Juro, eu quase desisti de ler. Começar e terminar um livro, tem sido uma luta diária para mim. Vez ou outra me deparo com um livro com vários gatilhos que me deixam desanimada e cansada demais para continuar. Mas esse livro, eu precisava ler. Queria ler. Então fui em frente.

A história começa conforme o Destino decide. Com todo o poder que lhe cabe, ele mostrará que não adianta tentar fugir do que ele deseja para você. E é através de uma armadilha do Destino que vamos conhecer Helena, Miguel e Fernando. Três completos desconhecidos, com vidas completamente distintas. O único ponto que os une é o fato deles acabarem juntos e presos no elevador de um hospital. Uma atitude drástica do Destino para três pessoas que teimavam em dificultar o que ele tentava ensinar.

Sem perspectivas para sair daquele lugar tão cedo e desesperados por notícias das pessoas que foram visitar, os três serão obrigados a encaram os próprios segredos. O tempo vai passando e não há muito o que fazer que não seja conversar. Em meio a conversa, culpa, medos e inseguranças virão à tona.



Helena é uma jovem insegura, que tenta se encaixar em um mundo que exige padrões tão altos. Amante da natação, sentiu os efeitos de ser julgada muito cedo. Com vergonha e com a certeza de que não era adequada para o que mais amava, ela vivia escondida e fugindo dos seus sonhos. O motivo para estar naquele elevador era a sua mãe. Ela sofreu um acidente de carro e Helena acreditava que era a culpada pelo que havia acontecido.

Miguel é um jovem doce e divertido. Trabalha em uma cafeteria e mora com a sua tia. Com uma vida bem simples, Miguel trabalhava e nas horas vagas vive o seu sonho. Ainda pequeno, veio da Bahia para São Paulo com a tia, depois de ser abandonado pela mãe e rejeitado pelo pai. O motivo de ter ido até o hospital naquele dia é a sua tia.

Por fim, Fernando é um cara rico, cresceu tendo tudo o que queria, ao passo que deveria fazer todas as vontades de sua mãe. Ela havia planejado cada detalhe de sua vida, desde o nascimento a profissão que ele exerceria e nada poderia mudar o que ela decidiu. Mesmo com uma vida repleta de privilégios, o que Fernando desejava era a própria liberdade. O motivo de estar no elevador com dois desconhecidos era a sua namorada. Ele sabia que sua vida poderia mudar completamente e com certeza não estava pronto para o que viria pela frente.




A narrativa é feita pelo Destino durante as horas em que os personagens ficam presos no elevador, alternando com capítulos que contam mais sobre a história de cada um e como chegaram até ali. De forma leve e divertida, somos conduzidos pelo Destino, com sacadas inteligentes e pela disposição em mostrar o quanto demoramos para aprender com a vida.

No geral, esse é mais um livro cheio de sensibilidade do Vinícius. Já disse várias vezes por aqui o quanto eu sou apaixonada pelos livros do autor. Desde “O Garoto Quase Atropelado” venho acompanhando fielmente os seus lançamentos e panfletando sempre que posso. Fico triste em dizer que não pude me conectar com essa história, mas não por não ter gostado de cada pedaço dela. Pelo contrário, eu amei a história e já favoritei o livro. Acontece que eu fiquei presa no momento em que li a dedicatória do autor. Aquela página é a primeira lembrança que me vem a cabeça quando penso nesse livro. É triste, eu sei. Eu não estava pronta para encontrar a minha realidade logo nas primeiras páginas. Como o Vinícius disse na carta ao Leitor, esse livro não é sobre ele, é sobre nós, leitores. Não sei se você será capaz de se reconhecer nessas páginas, mas eu consegui. Do início ao fim, me vi sentada naquele elevador, lutando contra todos os meus medos e inseguranças, tentando seguir em frente com a minha vida. Pode parecer contraditório, mas ver a minha realidade tão de perto, fez com que eu me afastasse da história.

Não pude aproveitar essa leitura como aproveitei os outros livros, mas fico imensamente feliz em ver a evolução do Vinícius em seu novo livro. Ainda sou apaixonada e não largo a minha edição de “Feitos de Sol” por nada, mas com toda certeza “Não foi por acaso” ganhou um espaço importante no meu coração.




Comentários

  1. Olá,
    Que resenha mais tocante. Esse é um autor que ainda não tive a oportunidade de conhecer mas que mantenho em minha lista.

    Beijo!
    www.amorpelaspaginas.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário