Vento do Leste

Um mundo literário com doses do cotidiano

Destaques

Imagem de capa do card
As 10 capas mais bonitas da minha estante

Hoje eu separei os livros que antes de tudo foram escolhidos pela capa e eu guardo com muito carinho na minha estante.

Ler o post
Outras postagens
Imagem de capa do card
[Resenha] O Jardim Esquecido, de Kate Morton
Ler o post
Imagem de capa do card
Mulheres marcantes na literatura #1
Ler o post

Últimas resenhas

Últimas resenhas

O Jardim Esquecido

Editora Arqueiro

Ler o post

Por uma Questão de Amor

Editora Novo Século

Ler o post

Uma noiva para Winterborne

Editora Arqueiro

Ler o post

Uma Dama Fora dos Padrões

Editora Arqueiro

Ler o post

Quinze Dias

Editora Globo Alt

Ler o post

Baía dos Suspiros

Editora Arqueiro

Ler o post

Anuncio

Dezoito primaveras


Ainda estava escuro quando acordei. Senti uma brisa de leve, era calmo. Aquela serenidade eu não sentia há tempos. Fiquei quieta e mantive a posição na cama de lençóis brancos gelados. O cobertor gigante, chegava a cair da cama. Meus pés pequenos, estavam cobertos com meias cinzas, enquanto a janela estava um pouco aberta, permitindo o vento gelado amadurecer o quarto.

Fiquei por instantes com a mente presa nos detalhes. Durante as seguidas dezoito primaveras, eu não deixei de esquecer as inquietações. O inverno acabara e de certa maneira, eu ainda me sentia nele. Aquela tua insegurança causava o meu caos. O sol estava nascendo e eu não fazia ideia de como encará-lo. Me aconchegava na cama. Ajustava o travesseiro gelado e tentava não forçar a respiração.

Fechei os olhos e voei. Nada de turbulência em meio ao surgir das folhas. Aquela fazenda sabia como retirar de mim pedaços que nunca imaginei em obter. Ficava tentando consertar o presente sem sequer imaginar o que poderia ganhar dele. Em casa, as coisas não estavam fáceis apesar do silêncio se mostrar mais fortes aos sábados. A única coisa que desejava era o fim da tarde, as flores, e as fotos. Gostava de uns goles de café com livros preguiçosos também.

Me virei contra a parede. Meus olhos estavam pregando de sono por conta da ausência dos sonhos. Às vezes, tudo isso chegava a me fazer acreditar que meu corpo preferia a realidade. E sem querer, doía. Sentei, e ajeitei o edredom. Peguei um moleskine velhinho de capa vermelha e comecei imaginar o desenho. Estava escuro, acabei perdendo o caminho.

Primaveras sempre me faziam bocejar. Era uma preguiça que até o Abel gostava. Aquele gato só me tirava do sério em momentos de fome, como sempre. Surpresa! A luz começava a surgir e eu despertava. Tentava não parar os movimentos. Me espreguiçava e respirava fundo. O quarto continuava gelado, assim como os teus braços também.

Matheus Carneiro.
blog / twitter / facebook / instagram
O que vocês acharam do texto do Matheus? Eu particularmente amei! Em breve teremos mais. : )
  1. Eu também amei e espero que tenha mais sempre :D

    Beijos
    Pepper Lipstick

    ResponderExcluir
  2. Ah, que lindo *-*
    Realmente, ele escreve muito bem. De uma forma tão tranquila :)

    Beijos, Lu
    http://luizando.blogspot.com.br

    Obs.: Mandei-te um e-mail ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Okay, Lu!
      Vou dar uma olhadinha lá. :)

      Excluir

@oventodoleste